estrelas no céu da boca.
vejo a lua.

Querida Terezinha. Quanto tempo a gente leva para repousar os olhos nas pessoas ao nosso redor? E ir deslizando pelos pequenos detalhes, na beleza não manifesta e, ao mesmo tempo, ofuscante? Quanto tempo a gente leva para repousar os olhos nos olhos do outro, sem qualquer pressa, sem procurar ali dentro o próprio reflexo? Foi esses dias, eu aninhei as mãos de minha avó por dentro das minhas, encostando o meu rosto em seus dedos tão frios, como se ela tivesse acabado de nascer em seu corpinho já envergado pelo tempo e marcado pelos dias… Naquele segundo, eu entendi que nada era mais urgente, nem mais importante, do que ouvir a minha avó reaprendendo a falar… E que eu sequer começaria a ver alguém - além de mim mesma - se não pudesse enxergar as pessoas para as quais olhei a vida inteira.

Cerca de um copo cheio de lágrimas, agora geladas, sobre meu travesseiro. E tudo por você, novamente, só pra variar. Honestamente, posso escolher quem merece meu amor, mas não posso escolher quem amar, e você, definitivamente estaria longe de sequer entrar na minha lista. Mas é como se fosse um castigo da vida, olhei pra você, você olhou pra mim e acabou. Acabou mesmo. Eu ainda me procuro, acho que deixei de ser eu e isso que está aqui com os olhos inchados de tanto chorar é outra pessoa. Você procura despedaçar cada cantinho do meu mundo só pra reconstruir quando estou com você e me passar essa sensação de que estou salvo, que não preciso de mais ninguém e que você é único. Mas você não é, não pode ser. Me roubou o coração com um sorriso, e lágrimas com suas idas e vindas, mas eu não dei de cara com um anjo pra me gabar de sentir isso por você. Talvez, sejam todos os seus defeitos, mania insuportável de ligar 3:30 da manhã pra dizer que acordou suado e vai tomar banho que tenham me feito refém desse sentimento. Afinal das contas, quem disse que amar é um acerto?

Amor pra mim é aquela vontade da gente se fundir com o outro até o mundo terminar. Tem um quê de desespero, pois a gente tem medo da perda. Tem um quê de descontrole, pois ninguém tem domínio de um sentimento tão puro quanto esse. Tem um quê de coragem, porque a gente passa por cima de muitas coisas. Tem um quê de paciência. Tem um quê de cumplicidade. Tem um quê de segredo. Tem uma pitada de muitas coisas.

às vezes o que sinto é imenso e às vezes não cabe na palma da mão. às vezes palavras não são suficientes pra dizer o tamanho. e quando acontece isso, tomo por medida o céu. infinito. do tamanho do meu amor.

é por isso que digo

"eu te céu, baby, eu te céu"

Ter quem te acolha e te traga flores mesmo de mãos vazias, pois a presença também é um verdadeiro jardim. Ter um peito onde deitar, um ombro onde encaixar a cabeça e repousar os pensamentos escuros de um dia muito claro, mas confuso. Ter um perfume preferido para procurar na multidão e um par de olhos aflitos para encarar. Ter um coração onde o colar o seu. Ter para onde ir, voltar, correr, estacionar. Ter a quem recorrer. E ter quem desperte o sábado nublado não como um dia novo, mas como um ano inteiro a sorrir pela frente. E quem fique, ainda que vá. E quem diga, ainda que cale. E quem ame, ainda que falhe. Ter a quem amar… Em quem se acabar.

mas a pressão no peito sempre volta.

sussurros são quentes

eu pensei em você durante o banho e chorei um pouquinho. eu queria ser forte e cortante, mas chorei um pouquinho ao materializar seu rosto. porque o tesão que vem depois do amor é diferente dos outros e é normal eu esquecer de não sentir e gostar pra caralho de tudo que você é. do gosto musical aos transtornos obsessivos compulsivos. das tentativas culinárias ao penteado. tudo bem eu respeitar pra caralho seu conhecimento técnico sobre tudo e admirar suas opiniões e lógica por te achar extremamente inteligente e apto pra ser. qualquer coisa, o cara, o meu homem. mas eu escondo bem todo meu calor e te trato mal como um moleque que puxa os cabelos da menina preferida no maternal. desculpa por eu não saber lidar com isso, mas é muito difícil gostar de outro ser humano. e eu entendo como deve ser foda pra você gostar dela. juro que entendo e nem ao menos tenho ou sou a resposta para os seus problemas. sou tipo um desvio onde seus olhos encontram uma maneira de não segui-la e os meus aproveitam a oportunidade de encarar os seus e dizer enquanto minha boca sorri e disfarça a maior ameaça à minha sanidade dos últimos tempos. esse meu amor esquisito… por você.